A Matemática no Ensino Médio: o conhecimento construído na escola e as avaliações externas como indicador de proficiência

Autores

Resumo

Neste artigo discutem-se as dificuldades encontradas pelos docentes e discentes no processo ensino-aprendizagem em Matemática no Ensino Médio (EM), na perspectiva da educação com características de inovação social. Objetivou-se realizar uma discussão teórica sobre as práticas pedagógicas, o processo ensino-aprendizagem e as dificuldades em ensinar e aprender Matemática no EM. Para alinhamento das ideias buscou-se a análise teórica e conceitual sobre a importância da Matemática, o espaço sala de aula e o papel do professor, a construção do conhecimento matemático no EM, o Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB), as avaliações externas como indicador de proficiência em Matemática, as práticas pedagógicas e o processo ensino-aprendizagem em uma perspectiva inovadora.  A partir das leituras realizadas, constatou-se que são diversos os fatores que dificultam o processo de ensinar e aprender Matemática na rede pública, especialmente, no Ensino Médio.

Palavras-chave: Práticas Pedagógicas em Matemática. Processo Ensino-aprendizagem. Ensino Médio. Proficiência. Inovação Social.

Biografia do Autor

Patrícia da Piedade Bernardo, Centro Universitário UNA Belo Horizonte/MG

Graduada em Pedagogia e Ciências com habilitação em Matemática. Especialista em Matemática. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local do Centro Universitário UNA, em Belo Horizonte/MG. Professora de matemática da rede pública estadual de ensino de MG, no Ensino Fundamental II, Ensino Médio e EJA. Experiência profissional como vice-diretora, professora de cursos técnicos, pedagoga e tutora do curso de pós-graduação do CEaD da UFOP, em Barão de Cocais/MG.

Referências

ANDRÉ, N. Reaprender a aprender e ensinar Matemática. SEE Governo do Paraná – Programa de desenvolvimento educacional PDE. Campo Mourão, 2009, p. 1-32.

AZEVEDO, M.A.R.; ANDRADE, M.F.R. O conhecimento em sala de aula: a organização do ensino numa perspectiva interdisciplinar. Educar em Revista, Curitiba, n. 30, p. 235-250, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602007000200015&lng=en&nrrm=iso>. Acesso em: 09 jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602007000200015.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuições para psicanálise do conhecimento. Tradução Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 9. reimpressão, 2011.

BELLO, S.E.L.; MAZZEI, L.D. Leitura, escrita e argumentação na educação Matemática no ensino médio: possibilidades de constituição de significados matemáticos. Ponta Grossa: UEPG, 2016. 307 p. ISBN 978-85-7798-215-8.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Base da Educação. Lei nº 4.024/61, de 20 de dezembro de 1961, que fixa diretrizes e bases da educação nacional. DF: Senado Federal, 1961.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBEN nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília. MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Executiva. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília-DF: MEC, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 26 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Sistema de Avaliação da Educação Básica. 2017. www.portal.mec.gov.br. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=94181-saeb-2017-versao-ministro-revfinal-1&category_slug=agosto2018-pdf&Itemid=30192>. Acesso: 13 abr. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRITO, M.R.F. Um estudo sobre as atitudes em relação à Matemática em estudantes de 1º e 2º graus Tese (Livre Docência em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, SP: Campinas, 1996.

CANDAU, V.M.F. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 161, p. 802-820, set. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010015742016000300802&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 1o maio 2019. http://dx.doi.org/10.1590/198053143455.

CARBONELL, J. A aventura de inovar: a mudança na escola. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002. 309 p.

DELORS, J. Educação: Um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Brasília, jul.2010, 43p. Disponível em: < https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000109590>

FELICETTI, V.L. Linguagem na construção matemática. Revista Educação por Escrito PUC/RS, v. 1, n. 1, p. 31-43, jun. 2010.

FIORENTINI, D. Investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. Xiii.ciaem-redumate.org.2013. Disponível em: <https://xiii.ciaem-redumate.org/index.php/xiii_ciaem/xiii_ciaem/paper/viewFile/2910/1225> . Acesso em: 2 fev. 2020.

HORTA NETO, J.L. Um olhar retrospectivo sobre a avaliação externa no Brasil: das primeiras medições em educação até o SAEB de 2005. Revista Iberoamericana de Educación, Madrid, v. 42, p. 1-14, 2007.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXERA – INEP. Ministério da Educação. História - INEP. 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/historia. Acesso em: 3 de março de 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA – INEP. Portal do governo brasileiro. Ministério da Educação - MEC. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Ideb.inep.gov.br., 2017. Disponível em: <http://ideb.inep.gov.br/resultado/resultado/resultado Brasil. seam?cid=209770> Acesso em: 04 maio 2019.

MINAS GERAIS. Portal da Avaliação - CAEdUFJF. Caderno de Pesquisa, 2019. Disponível em: http://www.portalavaliacao.caedufjf.net/caderno-de-pesquisa. Acesso em: 9 maio 2019a.

MINAS GERAIS. Entendendo como é avaliado. Revista de Avaliação Simave. www.simave.caedufjf.net. 2019b. Disponível em: <http://www.simave.caedufjf.net/revista/ entendendo-como-e-a-avaliacao. Acesso em: 1o fev. 2019.

MINAS GERAIS. Portal da Avaliação Educacional. 2019c. Disponível em: <http://www.avaliaeducacional.com.br/Avaliacao/AvaliacaodeCompetencias>. Acesso em: 15 fev. 2019.

MINAS GERAIS. Governo do Estado de. Proposta Curricular CBC Matemática: ensino fundamental e médio. Secretaria do Estado de Educação de Minas Gerais, Belo Horizonte: 2005. 80 p.

MINAS GERAIS. Lei Ordinária no 20.592/12. Institui as carreiras dos profissionais de educação básica do estado, de 28 de dezembro de 2012. Belo Horizonte: 2012.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação. PROEB-2017. Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, Caed. Revista Pedagógica. Matemática - 3º ano do ensino médio, v. 1, (jan./dez. 2017), Juiz de Fora, 2017 – Anual.

MOREIRA, P.C.; DAVID, M.M.M.S. O conhecimento matemático do professor: formação e prática docente na escola básica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 28, p. 50-61, abr. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141324782005000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso: 04 fev. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782005000100005.

MORIN, E. Ciência com consciência. Edição revista e modificada pelo Autor. Tradução Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 82. ed., Bertrand Brasil, 2005. 344 p.

PACHECO, J. Escola da ponte: formação e transformação da educação. 6. ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

PIMENTEL, B.N. et al. Percepção do ruído, saúde auditiva e qualidade de vida de professores de escolas públicas. Audiology - Communication Research, v. 21, p. e1740. Epub December 08, 2016. https://dx.doi.org/10.1590/2317-6431-2016-1740.

PRADO, A.S.; OLIVEIRA, A.M.P.; BARBOSA, J.C. Uma análise sobre a imagem da dimensão estrutural da prática pedagógica em materiais curriculares educativos. Bolema, Rio Claro, v. 30, n. 55, p. 738-762, ago. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-636X2016000200738&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 maio 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v30n55a21.

ROCHA, V.M.; FERNANDES, M.H. Qualidade de vida de professores do ensino fundamental: uma perspectiva para a promoção da saúde do trabalhador. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 23-27, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852008000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 1o maio 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852008000100005.

SANTOS, B.S. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 46-71, ago. 1988. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-0141988000200007&lng =en&nrm=iso>. Acesso em: 12 mar. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141988000200007.

THIESEN, J.S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, set./dez. 2008.

Downloads

Publicado

2021-02-06