Programa Saúde na Escola: interdisciplinaridade e intersetorialidade

Autores

  • Irlanda Do Socorro de Oliveira Miléo Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Marconde Ávila Bandeira Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Ney Cristina Monteiro de Oliveira Universidade Federal do Pará (UFPA) - Belém/PA -Brasil

Palavras-chave:

School Health Program. Interdisciplinarity. Intersectoriality

Resumo

Este artigo apresenta os conceitos básicos sobre a interdisciplinaridade e a intersetorialidade, demostrando suas definições comuns e dialéticas. Tem como base a revisão da literatura balizada na autora Alves-Mazzoti (2000), por intermédio dos textos consultados no banco de dados da CAPES, IBICT, SIBI/UFPA, SciELO, Google e livros. O texto está organizado em sete ítens, os quais são: 1.Introdução; 2.Da interdisciplinaridade; 3.Da intersetorialidade; 4.Das ações dialéticas entre a interdisciplinaridade e a intersetorialidade; 5.Algumas experiências; 6.Algumas considerações; 7.Referências. A Interdisciplinaridade e a intersetorialidade exigem que sua implementação se dê de forma conjunta, o que mobiliza um novo modelo nas políticas públicas sociais. Os desafios para integralizar os setores da educação e da saúde são complexos, no que se refere à perspectiva de complementariedade na promoção das políticas públicas para a população do país, com demandas constantes a serem resolvidas e suplementadas, valendo-se de uma gestão conjunta dessas políticas sociais setoriais que devem visar o atendimento universal, equitativo e de qualidade.

Palavras-chave: Programa Saúde na Escola. Interdisciplinaridade. Intersetorialidade.

Biografia do Autor

Irlanda Do Socorro de Oliveira Miléo, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutorado em Educação (PUC/SP). É Professora Adjunta na Universidade Federal do Pará (UFPA), Altamira – PA – Brasil. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-7075-6503. E-mail: irlanda@ufpa.br

Marconde Ávila Bandeira, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica, Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica - Universidade Federal do Pará (UFPA), Altamira – PA – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8414-0761. E-mail: bandeira.neto77@gmail.com

Ney Cristina Monteiro de Oliveira, Universidade Federal do Pará (UFPA) - Belém/PA -Brasil

Professora Titular do Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica, professora do Programa de Pós-graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8091-5213. E-mail: neycmo@ufpa.br

Referências

ALMEIDA, F. A. Práticas intersetoriais do programa saúde na escola: um estudo sobre ações e interações dos atores sociais. 2013. 220 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local) – Centro Universitário UNA, Belo Horizonte, MG, 2013. Disponível em: http://www.mestradoemgsedl.com.br/wp-content/uploads/2015/01/Fl%C3%A1via-Andrade-Almeida.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

ALVES-MAZZOTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sócias: pesquisas quantitativa e qualitativa. 1. reimp. São Paulo: Pioneira, 2000.

BARBIERI, A. F.; NOMA, A. K. A intersetorialidade nas políticas brasileiras de educação: a articulação setorial no Programa Saúde na Escola Educação Unisinos, v. 21, n. 2, p. 137-145, maio/ago. 2017.

BARRA, S. A. R. Gestão da estratégia saúde da família: o desafio de consolidar a intersetorialidade. Orientadora: Lêda Maria Leal de Oliveira. 2013. 199 f. Dissertação (Mestrado Serviço Social) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, 2013. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ppgservicosocial/files/2013/04/sabrina.pdf.> Acesso em: 28 out. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto n. 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Brasília, 6 dez. 2007. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6286.htm. Acesso em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação (PNE- 2014/2024). Brasília, DF: Senado, 26 jun. 2014.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno do gestor do PSE. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 110 p. (Série E. Legislação em Saúde)

CURY, C. R. J.; REIS, M.; ZANARDI, T. A. C. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

DELANDES, S. F.; GOMES, R.; MINAYO, C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. esp. 100, p. 921-946, out. 2007.

FERREIRA, I. R. C.; MOYSÉS, S. J.; FRANÇA, B. H. S.; CARVALHO, M. L.; MOYSÉS, S. T. Percepções de gestores locais sobre a intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 56, jan./mar. 2014.

FERREIRA, S. S. Intersetorialidade e políticas públicas. Salto para o Futuro, Tv escola, Ano XIX, n. 13, p. 17-21, out. 2009.

GÓIS, J. B. A produção da intersetorialidade: comentários a partir de ações públicas para a juventude. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 128-141, jan./jun. 2013.

INOJOSA, Rose Marie. Intersetorialidade e a configuração de um novo paradigma organizacional. RAP, Rio de Janeiro, v. 32, n. 2, p. 35-48, mar./abr. 1998.

JUNQUEIRA, L. A. P. Intersetorialidade, transetorialidade e redes sócias na saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 6, p. 35-45, nov./dez. 2000.

JUNQUEIRA, L. A. P. Novas formas de gestão na saúde: descentralização e intersetorialidade. Saúde e sociedade, v. 6, n. 2, p. 31-46, 1997.

JUNQUEIRA, L. A. P; INOJOSA, R. M.; KOMATSU, S. Descentralização e Intersetorialidade na gestão pública municipal no Brasil: a experiência de Fortaleza In: CONCURSO DE ENSAYOS DEL CLAD, 11., 1997, Caracas. Anais […]. Caracas, 1997.

MEC. Programa Saúde nas Escolas. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/institucional/estrutura-organizacional/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/14578-programa-saude-nas-escolas. Acesso em: 27 maio 2019.

MILÉO, I. S. O. Poder local e a gestão da educação municipal no contexto de Altamira-Pará. Orientadora: Ney Cristina Monteiro de Oliveira. 2007. 265 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2007.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciências & Saúde coletiva, v. 17, n. 3, p. 621-626, 2012.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Saúde na Escola. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-saude-na-escola>. Acesso em: 27 maio 2019.

MONNERAT, G. L. et al. (Org.). A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas, SP: Papel Social, 2014.

MONNERAT, G. L; SOUSA, R. G. Da seguridade social à intersetorialidade: reflexões sobre a integração das políticas sociais no Brasil. In: MONNERAT, G. L et al., (Org.). A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas, SP: Papel Social, 2014. R. Katál, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 41-49, jan./jun. 2011.

NASCIMENTO, S. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas publicas. Serv. Soc. Soc, São Paulo, n. 101, p. 95-120, jan./mar. 2010.

NOVAES, I. L.; FIALHO, N. H. Descentralização educacional: características e perspectivas. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, v. 26, n. 3, p. 586-602, set./dez. 2010.

PEREIRA, A. C. M. A prática da intersetorialidade como promoção e prevenção de saúde nas escolas: um relato de experiência em São Luís do Maranhão – Brasil. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, v. 8, n. 2. 2017.

PEREIRA, P. A. P. A intersetorialidade das políticas sociais na perspectiva dialética. In: MONNERAT, G. L et al., (Org.). A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas, SP: Papel Social, 2014. R. Katál, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 23-39, jan./jun. 2014.

SANTOS, D. A.; DIAS, D. S. Intersetorialidade: o desa?o de uma nova arquitetura de gestão em Betim. Perspectivas em Políticas Públicas, BeloHorizonte, v. V, n. 10, p. 119-129, jul./dez. 2012.

SILVA, C. S. Saúde na escola: intersetorialidade e promoção em saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2019.

SILVA, C. S; BODSTEIN, R. C. A. Referencial teórico sobre práticas intersetoriais em Promoção da Saúde na Escola. Ciências & Saúde Coletiva, v. 21, n. 6, p. 1777-1788, 2016.

TUMELERO, S. M. Intersetorialidade nas políticas públicas. Guaju, Matinhos, v. 4, n. 2, p. 211-230, jun./dez. 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-21