Games e valores sociomorais: possibilidade de prevenção nas redes sociais

Autores

  • Vítor de Morais Alves Evangelista Universidade Estadual do Norte do Paraná | UENP
  • Rita Melissa Lepre UNESP - Faculdade de Ciências - Câmpus de Bauru

Palavras-chave:

Educação em valores sociomorais. Redes sociais. Jogos eletrônicos

Resumo

A convergência entre a informática, a eletrônica e os sistemas informativos proporcionaram uma revolução nos meios de comunicação. Embora possuam importante papel na estruturação das relações sociais, as interações digitais nem sempre são sinônimos de segurança, já que os relatos de riscos e problemas relacionados ao uso das redes sociais estão cada vez frequentes (invasão de privacidade, falta de segurança, sexting, bullying e cyberbullying). O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a possibilidade de utilização dos jogos eletrônicos na educação em valores sociomorais direcionado à prevenção dos comportamentos de risco relacionados ao uso das redes sociais. Os jogos podem antecipar as situações de risco pelas quais os usuários possam enfrentar, principalmente aquelas que são intermediadas pelas novas tecnologias. Espera-se que a educação em valores sociomorais possa se tornar crucial na proteção aos riscos relacionados ao uso das redes sociais.

Biografia do Autor

Vítor de Morais Alves Evangelista, Universidade Estadual do Norte do Paraná | UENP

Psicólogo, formado pela Faculdade de Ciências e Letras de Assis - UNESP (2009), é Mestre ( 2013 - bolsista FAPESP) e Doutor (2018 - bolsista FAPESP) em Psicologia e Sociedade pelo Programa de Pós-Graduação da UNESP - Assis. Possui pós-doutorado na Faculdade de Ciências - Departamento de Educação da UNESP- Bauru . Atualmente é Professor Colaborador na Universidade Estadual do Norte do Paraná - Campus de Cornélio Procópio - Centro de Ciências Humanas e da Educação

Rita Melissa Lepre, UNESP - Faculdade de Ciências - Câmpus de Bauru

Psicóloga, Mestre e Doutora em Educação. Livre-Docente em Psicologia da Educação. Professora Associada da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Referências

ABERASTURY, Arminda; KNOBEL, Maurício. Adolescência Normal. Tradução Suzana Maria Garagoray Ballve. 1988.

ARAUJO, Greicy Boness. Limites na educação infantil: as representações sociais de pais e professores. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

AVILÉS, José María Avilés Martínez. Êxito escolar y ciberbullying. Boletín de Psicología, n. 98, p. 73-85, 2010.

______. José María Avilés Martínez. Análisis psicosocial del ciberbullying: claves para una educación moral. Papeles del Psicólogo, v. 34, n. 1, p. 65-73, 2013.

______. José María Avilés Martínez. Programa educativo PRIRES: Programa de Prevención de Riesgos en las Redes Sociales. Revista de Investigación en Psicología, v. 17, n. 2, p. 13-23, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Ética Pós-moderna. São Paulo: Paulus, 1997.

BELLONI, M.; GOMES, N. G. Infância, mídias e aprendizagem: autodidaxia e colaboração. Educação & Sociedade, v. 29, n. 104, p. 717-746, 2008.

BIAGGIO, Ângela Maria. Lawrence Kohlberg: ética e educação moral. Moderna, 2006.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2015. SECOM.

BUXARRAIS, M. R. La formación del profesorado em educación en valores: propuesta y materiais. Bilbao: Desclée de Brouwer, 1997.

CALLIGARIS, Contardo. A Adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000.

CGI – CETIC, Comitê Gestor da Internet e Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade de Informação: Pesquisa TIC KIDS ONLINE – Brasil, 2019.

COHEN, Ernesto; FRANCO, Rolando. Avaliação de projetos sociais. Petrópolis: Vozes, 1993. 312 p.

COUTRIM, Rosa Maria da Exaltação; CARVALHO, Rosana Areal de; ALMEIDA, João Paulo Pereira de. Relação escola e família: uma construção sócio-histórica. 2012.

CRUZ, D. M.; RAMOS, D. K.; ALBUQUERQUE, R. M. Jogos eletrônicos e aprendizagem: o que as crianças e os jovens têm a dizer? Revista Contrapontos - Eletrônica, v. 12, n. 1, p.96, 2012.

DESSEN, Maria Auxiliadora; POLONIA, A. da C. A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia, v. 17, n. 36, p. 21-32, 2007.

DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. Editora Vozes, 2005.

EVANGELISTA, V. M. A. Paraísos virtuais: um estudo sobre jogos eletrônicos e moralidade no mundo contemporâneo. 2018. 242f. Tese (Doutorado em Psicologia). - Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Assis, 2018.

GEE, James Paul. What videogames have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave MacMillan, 2004.

GREENE, Joshua. Moral tribes: Emotion, reason, and the gap between us and them. Penguin, 2012.

GENTILE, D. A., WALSH, D. A. A normative study of family media habits. Journal of Applied Developmental Psychology, 23(2), 157-178. 2002.

HODGE, S.; TAYLOR, J.; MCALANEY, J. (A)morally Demanding Game? An Exploration of Moral Decision-Making in a Purpose-Made Video Game. Media and Communication. 7(4). 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.17645/mac.v7i4.2294>.Acessado em 07 de Abril de 2021.

JUUL, J. Half-real: videogames entre regras reais e mundos ficcionais. São Paulo: Blucher, 2019.

LA TAILLE, Yves de; MENIN, Maria Suzana De Stefano. Crise de valores ou valores em crise?. Artmed, 2009.

______. Yves de. Uma interpretação psicológica dos" limites" do domínio moral: os sentidos da restrição e da superação. Educar em Revista, n. 19, p. 23-37, 2002.

_______. Yves. Limites: três dimensões educacionais. São Paulo: Ática, 1998.

LIND, G. Moral Dilemma Discussion Revisited:The Konstanz Method. Europe’s Journal of Psychology, 2005

LIPOVETSKY, G. A sociedade da decepção. Barueri: Manole, 2007.

LIVINGSTONE, S.; HADDON, L. EU Kids Online: Final report 2009. London: EU Kids Online, 2009.

LIVINGSTONE, S., KIRWALL, L., PONTE, C., & STAKSRUD, E. In their own words: What bothers children online? European Journal of Communication, 29(3), 271-288, 2014.

MCGONIGAL, J. Realidade em jogo: por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Rio de Janeiro: Best Seller, 2014.

MELRO A., SILVA B., JOSÉ R. Media Sharing in Situated Displays: Service Design Lessons from Existing Practices with Paper Leaflets. In: Falcão e Cunha J., Snene M., Nóvoa H. (eds) Exploring Services Science. IESS 2013. Lecture Notes in Business Information Processing, vol 143. Springer, Berlin, Heidelberg 2013.

MENIN, Maria Suzana de Stefano. Desenvolvimento moral. Cinco estudos de educação moral. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 37-104, 1996.

MENIN, Maria Suzana de Stefano. Desenvolvimento Moral: Refletindo com pais e professores. In: Cinco Estudos de Educação Moral. Coleção Psicologia e Educação. 2a ed. Casa do Psicólogo. São Paulo,1999.

MENIN, M.S.S.; BATAGLIA, P.U.R.; ZECHI; J. (Org.). Projetos bem sucedidos de educação em valores: relatos de escolas públicas brasileiras. São Paulo: Cortês, 2013.

MENIN, S.S. M; TREVISOL, T.C. M; ZECHI, J. A. M.; UNGER P. R. B. Projetos bem-sucedidos de educação em valores sociomorais: contribuições para o cotidiano da escola. Revista de Educação PUC-Campinas. 2017.

NICHOLS, S., MALLON, R. Moral dilemmas and moral rules. Cognition, 100(3), 530-542. 2005

OLIVEIRA, A.P. Escola e família: relações possíveis em projetos de educação moral em escolas públicas. Dissertação apresentada ao Programa de PósGraduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia – FCT/UNESP. 2013.

PIAGET, Jean. A Evolução Intelectual da Adolescência à Vida Adulta. Trad. Fernando Becker; Tania B.I. Marques, Porto Alegre: Faculdade de Educação, Traduzido de: Intellectual Evolution from Adolescence to Adulthood. Human development, v. 15, p. 1-12, 1972.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants part 1. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

PUIG, Josep. A construção da personalidade moral. São Paulo: Ática, 1998.

PRADO, Juliana. As novas fronteiras tecnológicas entre intimidade e solidão. Contemporânea ISSN: 2236-532X v. 3, n. 1 p. 235-240 Jan.–Jun. 2013

RAMOS, D. K. Jogos eletrônicos desejo e juízo moral. Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

SALEN, Katie; ZIMMERMAN, Eric. Regras do jogo: fundamentos do design de jogos. São Paulo: Blucher, v. 1, p. 69, 2012.

SOUZA, Terezinha Fernandes Martins de; RAMOS, Daniela Karine; CRUZ, Dulce Márcia. Jogos eletrônicos e currículo: novos espaços e formas de aprender. Revista Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 27 , jul./dez. 2013. p. 179 – 2003.

STAABY, T. The Walking Dead in school – moral philosophy after the apocalypse. Game Based Learning 8, The Norwegian Centre. 2014

TOGNETTA, Luciene Regina Paulino; BOZZA, Thais Cristina Leite. Cyberbullying: um estudo sobre a incidência do desrespeito no ciberespaço e suas relações com as representações que adolescentes tem de si. Nuances: estudos sobre Educação, v. 23, n. 24, p. 162-178, 2012.

TOGNETTA, Luciene Regina Paulino; VINHA, Telma Pileggi. Valores em crise: o que nos causa indignação. Crise de valores ou valores em crise, p. 15-45, 2009.

TURKLE, S. Alone Together: Why We Expect More From Technology and Less From Each Other. New York, Basic Books, 2011.

ZAGAL, José Pablo. Ethically Notable Videogames: Moral Dilemmas and Gameplay. DiGRA Conference, 2009.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Evangelista, V. de M. A., & Lepre, R. M. . (2022). Games e valores sociomorais: possibilidade de prevenção nas redes sociais. EVISTA ELETRÔNICA ESQUISEDUCA, 13(32), 983–999. ecuperado de https://periodicos.unisantos.br/pesquiseduca/article/view/1187