O lúdico como ferramenta de aprendizagem de leitura e escrita

Autores

  • Camila Gonçalves dos Santos do Canto Universidade Federal do Pampa
  • Patricia Oliveira Crespo Nunes Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
  • Ana Cristina da Silva Rodrigues Universidade Federal do Pampa

Palavras-chave:

Lúdico, leitura, escrita

Resumo

: Este trabalho visa investigar o processo de ensino e aprendizagem da leitura e da escrita, por meio de uma pedagogia lúdica, nos anos iniciais em uma escola da rede pública estadual do município de Jaguarão/RS de modo a analisar os motivos que acarretam as dificuldades de ler e escrever. A metodologia utilizada no trabalho foi a investigação qualitativa e como instrumentos de coleta de dados foram utilizadas observações, entrevistas e intervenção. Nos resultados alcançados estão apresentados os aspectos positivos e negativos, pois nem sempre as atividades ocorreram da forma esperada; porém, através dos dados coletados, percebeu-se que os aprendizes aprenderam a enfrentar desafios no processo da leitura e escrita, uma vez que se tornaram mais participativos e ativos. O lúdico enquanto prática psicopedagógica é uma possibilidade de auxiliar os alunos com dificuldade nas práticas de leitura e escrita, uma vez que fomenta o engajamento e a brincadeira por meio de tarefas que levam em consideração o contexto e o nível de aprendizagem dos alunos. Cada indivíduo tem a sua forma de aprender e o psicopedagogo é o profissional habilitado a auxiliar as pessoas a lidar com as suas dificuldades e também a conduzir uma forma mais eficaz para que aprendizagem aconteça de fato.

Palavras-chave:  Leitura. Escrita. Lúdico. Aprendizagem.

Biografia do Autor

Camila Gonçalves dos Santos do Canto, Universidade Federal do Pampa

Professora Adjunta do Curso de Letras – Português EaD da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Câmpus Jaguarão-RS

Patricia Oliveira Crespo Nunes, Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)

Mestranda em Educação e Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), Jaguarão, RS, Brasil.

Ana Cristina da Silva Rodrigues, Universidade Federal do Pampa

Doutora em Educação, professora permanente do Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal do Pampa, Campus Jaguarão

Referências

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. - Características da investigação qualitativa. In: Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Porto Editora, 1994

BRASIL. [Estatuto da criança e do adolescente (1990)]. Estatuto da criança e do adolescente: lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata [recurso eletrônico]. – 9. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010. 207 p. – (Série legislação; n. 83)

BRASIL. Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as leis de diretrizes da educação nacional, Brasília: 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Brasília: MEC/SEB, 2015.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de 9 anos: orientação para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CARVALHO, M. A. F. & MENDONÇA, R. H. (Orgs.) Práticas de leitura e escrita. Brasília: MEC, 2006.

CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: Um mergulho no brincar. 3. ed. São Paulo: Vitor, 2001.

FERREIRO, E. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 2001.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: ed. Paz e Terra, 2005.

HÜSKEN, Rosane. Psicopedagogia Clínica: diagnóstico e intervenção. Pelotas: Cópias Santa Cruz Ltda., 2010.

KIYA, Marcia C. da Silveira. O uso de Jogos e de atividades lúdicas como recurso pedagógico facilitador da aprendizagem. Material didático desenvolvido como requisito do PDE - Programa de Desenvolvimento Educacional, da Secretaria de Estado da EducaçãoSEED, na área de Pedagogia. Ortigueira, 2014.

LUZ, Marina Cabreira. OLIVEIRA, Maria Cristina Alves Ribeiro. SOUZA, Gelsenmeia Massuquette Romero. Brincar é muito mais do que uma simples brincadeira: é aprender. In: < http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5406_2779.pdf >, 2011.

MACIEL, F. I. P?LÚCIO, I. S. Os conceitos de alfabetização e letramento e os desafios da articulação entre teoria e prática. In: CASTANHEIRA, M. L, MACIEL, F. I. P. E A, MARTINS, R. M. F. (Org.) Alfabetização e letramento na sala de aula. Belo horizonte: Autêntica, 2008, p. 1333.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. O brincar na escola: Metodologia Lúdico-vivencial, coletânea de jogos, brinquedos e dinâmicas/ Santa Marli dos Santos. 2ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. – (Coleção brinquedoteca)

SILVA, A. O psicopedagógico e as intervenções nas dificuldades de aprendizagem. Disponível em: 08/07/2020. Disponível em: <:http://maratavarespsictics.pbworks.com/w/file/fetch/74460608/esp-andressajullybentodemedeirossilva-111021165426-phpapp02.pdf>, 2012.

SILVA, Claudia & CAPELLINI, Simone Aparecida. Desempenho de escolares com e sem transtorno de aprendizagem em leitura, escrita, consciência fonológica, velocidade de processamento e memória de trabalho fonológica. Rev. psicopedag. vol.30 no.91 São Paulo, 2013.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros, belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2003.

TUBELO, Liana Cristina Pinto. Psicocinética e Brincar: construção do vocabulário linguístico, escrito e psicomotor da criança. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2004

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. L. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988.

Downloads

Publicado

2021-03-21