A presença do aluno com deficiência no sistema regular de ensino: mitos, estigmas e preconceitos

Autores

  • Dalila Viana Guimarâes Universidade Federal do Tocantins
  • Alderise Pereira Quixabeira Universidade Federal do Tocantins
  • Barbara Carvalho Araújo Universidade Federal do Tocantins
  • Ruhena Kelber Abrão Ferreira Universidade Federal do Tocantins http://orcid.org/0000-0002-5280-6263

Palavras-chave:

Ensino Regular. Deficiência. Educação Especial.

Resumo

Atualmente o grande desafio da escola de ensino regular é promover estímulos e mudanças sobre romper paradigmas e preconceito, sobre os princípios sociais e pedagógicos da escola que expresse a possibilidade de repensar as práticas docentes. Para o desenvolvimento deste trabalho, buscamos responder ao seguinte questionamento: Como são recebidos, vistos e tratados os alunos com deficiência que frequentam instituições regulares de ensino? Logo, o objetivo principal desse trabalho é conhecer como se desenvolve o processo de inclusão de estudantes com necessidades especiais no sistema regular de ensino, tendo como referência uma instituição pública do Município de Miracema do Tocantins. Para esta pesquisa foram utilizados os métodos de pesquisa de campo e abordagem qualitativa. A coleta de dados ocorreu no ano de 2017, sendo realizadas um total de 16 observações. Como procedimentos de coleta de dados foi utilizada a observação participante. A análise dos dados teve início após a finalização da pesquisa de campo. Tendo por base dos dados obtidos, percebe-se que, por meio desse estudo, foi possível analisar a política de inclusão e os seus reflexos nos processos de socialização no ensino aprendizagem de alunos com necessidades especiais. Um aspecto de grande relevância nesse trabalho foi verificar que a inclusão de alunos com deficiência é possível, desde que seja muito bem estruturada e pensada, e não apenas colocar o aluno na sala. Dessa forma, é possível concluir que se pretendemos postular um trabalho na perspectiva da inclusão escolar, é preciso que se disponibilize apoio e suporte advindos dos conhecimentos específicos da área da Educação Especial.

Palavras-chave: Ensino Regular. Deficiência. Educação Especial.

Biografia do Autor

Dalila Viana Guimarâes, Universidade Federal do Tocantins

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins

Alderise Pereira Quixabeira, Universidade Federal do Tocantins

Mestranda em Ensino em Ciências e Saúde pela UFT

Barbara Carvalho Araújo, Universidade Federal do Tocantins

Mestranda em Ensino em Ciências e Saúde pela UFT

Ruhena Kelber Abrão Ferreira , Universidade Federal do Tocantins

Graduado em Educação Física (FURG). Mestre em Educação Física (UFPel) e Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRGS). Pós Doutorando em Políticas Públicas (UMC), na linha em Práticas de Saúde e Desenvolvimento. Professor Adjunto II da Universidade Federal do Tocantins (UFT).Docente do curso de Educação Física e professor no Programa de Ensino em Ciências e Saúde (PPGECS). Coordenador da Residência Pedagógica em Educação Física. Tutor da residência multiprofissional em Saúde da Família e bolsista da Escola de Saúde Pública de Palmas. Coordena, desde 2016, o Centro de Desenvolvimento do Esporte Recreativo e do Lazer, Rede CEDES.Filiado a Associação brasileira de pesquisa e pós-graduação em estudos do lazer (ANPEL) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Foi Conselheiro Chefe da Editora da UFT - biênio (2017-2019), bolsista da Fiocruz (2016-2017), coordenador dos cursos de Pedagogia (2015), Educação Física (2015-2017) e Educação Física, modalidade PARFOR (2016-2018). Atuou por 12 anos na Educação Básica na esfera pública municipal, estadual e particular, bem como orientação escolar. Desde 2008 atua no Ensino Superior. Tem experiência na área de Educação e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Infâncias, formação de profissionais para a docência, Recreação Hospitalar, Estudos do Lazer, bem como Gestão, Planejamento e Políticas Públicas em Saúde.

Referências

ABRÃO, K. e SOUZA, A. A inclusão de crianças com necessidades educativas especiais em classes regulares de Educação Infantil. Ciências & Letras, n.52, p.93-106, 2012.

______. e BAYSDORF. G, O Trabalho docente do Professor de Educação Física em Escolas com Diferentes Fatores Socioeconômicos e Demográficos: Estratégias e Saberes Construídos. Contexto &Educação. Editora Unijuí Ano 28 nº 91, p27-37, Set./Dez. 2013.

______.e DUARTE, M. O papel da afetividade no processo de ensino e aprendizagem da criança com deficiência. Revista Uniabeu, v.10, n24 p. 1-18, 2017.

AMARAL, Ligia Assumpção; AQUINO, Julio Groppa (Org). Diferenças e Preconceitos na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus,1998.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei 9394 de 1996, acesso em 05 de dezembro de 2008, Portal Ministério da Educação, Brasil).

BRASIL. Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (CORDE), 1994.

BARBOSA, Heloiza. Por que Inclusão?. Disponível em: <http://www.defnet.org.br/heloiza.htm>. Acesso: 30/09/2016.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense. 1986. (Coleção Primeiros Passos: 20).

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em:

<http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/cartilha-censo-2010-pessoas-com-deficienciareduzido.pdf> Acesso em: junho. 2016.

BRASIL, Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.> Acesso em 16 abril 2018.

FERREIRA, Windyz B. Educar na diversidade: práticas educacionais inclusivas na sala de aula regular. In: Ensaios Pedagógicos - Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: SEESP/MEC, 2006.

GLAT, Rosana (Org.). Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de janeiro: 7 letras, 2007. (Questões Atuais em Educação Especial).

GLAT Rosana; NOGUEIRA Mário Lucio De Lima. Políticas Educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Revista Integração. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria da Educação Especial, ano 14, n°24, 2002.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér; PRIETO, Rosângela Gavioli. Inclusão Escolar- Pontos e Contrapontos. São Paulo. Summus, 2006.

MANTOAN, M. T. E. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: SENAC, 1999.

MONTEIRO, Maria Inês Bacellar. A interação de crianças com Síndrome de Down e outras crianças na pré-escola comum e especial. In: MANTOAN, Maria Teresa Egler (Org.). A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo, 1997, p. 109-112.

PERRENOUD, Philippe. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: Perspectivas sociológicas. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1993.

PRIETRO, Rosangela Gavioli. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais: um olhar sobre as políticas publica da educação no Brasil. In: Inclusão escolar: Pontos e contrapontos. Summs Editorial, São Paulo, 2006.

RODRIGUES, D. Dez ideias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, D (org.). Inclusão e educação: Doze olhares sobre a educação Inclusiva. São Paulo: Summus, pp. 299-318, 2006.

ROSA, Rejane Souza. A Inclusão Escolar de Alunos com Necessidades Educativas Especiais em Escola de Ensino Regular. Disponível em: . Acesso: 30/09/2016.

STAIMBACK S.; STAIMBACK W. Inclusão: Um guia para educadores. Porto Alegre, Artmed, 1999.

XAVIER, Alexandre Guedes Pereira. Ética, técnica e política: a competência docente na proposta inclusiva. Revista Integração. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria da Educação Especial, ano 14, n°24, 2002.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Disponível em: http://www.educacaoonline.pro.br, acessado em 20/08/2017.

Downloads

Publicado

2021-03-21