Significados de práticas pedagógicas de professores substitutos

Autores

  • Carlos Nazareno Ferreira Borges Universidade Federal do Pará - UFPA
  • Maria Rosilene Maués Gomes Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Produção de Significados, Ação Pedagógica, Professor Temporário

Resumo

O texto é resultado de um estudo relacionado à produção de significados sobre a prática pedagógica de professores substitutos ou temporários, objetivando compreender essa possível função docente (temporária) como etapa de (auto) formação docente e, portanto, interessante a se considerar na formação inicial. Na metodologia utilizamos o Modelo dos Campos Semânticos, associado às técnicas de análise de conteúdo. Autores como Freire, Adorno e outros visitados no campo da Educação foram apropriados no debate. Como resultados, tivemos o seguinte: as práticas pedagógicas são consideradas como tempos de ensino e aprendizagem; há por meio da experiência adquirida pelas práticas pedagógicas uma qualificação para toda a carreira docente e, portanto, é parte da formação docente; há por meio das práticas pedagógicas condição de contribuir para a intervenção na prática social, e; a atuação profissional por meio das práticas pedagógicas é um investimento pessoal na própria formação.

Biografia do Autor

Carlos Nazareno Ferreira Borges, Universidade Federal do Pará - UFPA

Licenciatura em Educação Física - UEPA. Bacharelado em Ciências Sociais -UFES.  Mestrado e Doutorado em Educação Física - UGF/RJ. Pos doutorado em Memória Social - UNIRIO. Docente do Programa de Pós Graduação em Educação/UFPA; Membro do Centro Avançado de Estudos em Educação e Educação Física - CAÊ.

Maria Rosilene Maués Gomes, Universidade Federal do Pará

Graduação em Pedagogia - UFPA. Mestrado em Educação - UEPA. Doutoranda em Educação - UFPA. Docente efetiva do  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA). Membro do Centro Avançado de Estudos e Educação e Educação Física - CAÊ

Referências

ADORNO, T. Educação e Emancipação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1995. USP, S. Paulo, 13(1): 27-37, maio de 2001.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Obras Escolhidas. São Paulo: Rouanel/Brasiliense; 1994.

BORGES, C. N. F.; CRUZ JUNIOR, A. F.; DELLA FONTE, S. S. Função docente no ensino superior: discussão parcial para uma proposta de formação continuada de docentes universitários. Pensar a Prática, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 2012. 272¬550, abr./jun.

CHAMLIAN, H. C. Docência da universidade: professores inovado¬res na USP. Cadernos de Pesquisa, n. 118, março. 2003. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16829.pdf>. Acesso em: 03 out. 2007

BRUNER, J. Atos de Significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001.

DIAS, V.; MACHADO, M. Precarização do trabalho: o caso dos professores substitutos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. In: Anais do V Seminário Internacional: o Estado e as políticas educacionais do tempo presente. Uberlândia: UFU, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1996.

______, Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha praxis. 2a ed. São Paulo: UNESP, (2003).

______, Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

GADOTTI, M.; FREIRE, P.; GUIMARÃES. S. Pedagogia, diálogo e conflito. -9. ed. - São Paulo: Cortez, 2015.

HYPÓLITO, Álvaro Moreira. Trabalho docente na Educação Básica no Brasil: as condições de trabalho. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; VIEIRA, Lívia Fraga (Orgs.) Trabalho na Educação Básica: a condição docente em sete estados brasileiros. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2012

KOEHLER, S. E. A trajetória institucional/docente do professor substituto da UFSM. (Dissertação de Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria/RS, 2006.

LIMA, D. G.; LIMA, R. L. A precarização do trabalho docente no contexto da universidade operacional e suas inflexões na condição do professor substituto. Universidade e Sociedade. ANDES-SN, julho, 2017. Disponível em:< http://portal.andes.org.br/imprensa/publicacoes>. Acesso em 12 de janeiro de 2020.

LINS, R. C. A Framework for Understanding what algebraic thinking is. (Tese de PhD) University of Nottingham. 1992.

LINS, R. C. Epistemologia, História e Educação Matemática: Tornando mais Sólidas as Bases da Pesquisa, Revista da SBEM-SP. Campinas, p. 75-91. 1993.

LINS, Romulo Campos. O Modelo Teórico dos Campos Semânticos: Uma análise epistemológica da álgebra e do pensamento algébrico. Dynamis, Blumenau. v.l, n. 7, p.29-39. abr/jun 1994.

LINS, R. C. Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: Bicudo, M. A. V. (org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP, 1999. P. 75-94.

LINS, R. C. O Modelo dos Campos Semânticos: estabelecimentos e notas de teorizações. In: ANGELO, C. L. et al. (Organizadores). Modelo dos campos semânticos e educação matemática: 20 anos de História. São Paulo: Midiograf, 2012.

MAAR, W. L. Adorno, semiformação e educação. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 83, 2003. P. 459-476, agosto.

MAZZEU, F. J. C. Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Cad. CEDES. vol. 19 n. 44, 1998. Campinas Apr.

PASSOS, R. G. Trabalho do professor substituto na FSS/UERJ: limites e impasses frente à precarização. Miolo Livro Serviço Social. Indd. 2014.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo, Cortez, 1982.

PINTO, M. J. B.; DALBEN, A. I. L. F. Professor substituto. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. C.; VIEIRA, L. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010.

RATES. A. C. F.; LÉDA, D. B. A saúde no trabalho de professores substitutos de uma universidade federal brasileira: entre vivências de prazer e sofrimento. In: Anais do XI Seminário Internacional de la Red Estrado. Cidade do México: Universidade Pedagógica Nacional, 2016.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 4 Ed., São Paulo: Atlas, 2009.

SANTOS, L. M. Produção de significados para objetos de aprendizagem: de autores e leitores para a educação matemática. (Dissertação de Mestrado). Programa de Mestrado em Educação, linha de pesquisa Educação Matemática, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba/PR, 2007.

SCHNORR, G. M. Pedagogia do Oprimido. In: SOUZA, Ana Inês (Org.). Paulo Freire: vida e obra. 3. ed. – São Paulo: Expressão Popular, 2015.

SILVA, A. M. Sobre a dinâmica da produção de significados para a Matemática. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, UNESP, Rio Claro, 2003.

SILVA, F. L. A perda da experiência da formação na universidade contemporânea. Tempo Social. Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 13(1): 27-37, 2001. maio.

Downloads

Publicado

2022-01-03