A aplicação dos princípios da Bioética no Ensino Superior

Autores

  • Rodrigo Monteiro Oliveira Universidade Federal do Tocantins
  • Tatiana Peres Santana Universidade Federal do Tocantins
  • RUHENA KELBER ABRAO FERREIRA Universidade Federal do Tocantins http://orcid.org/0000-0002-5280-6263

Palavras-chave:

Ensino, Educação Superior, Bioética

Resumo

O presente artigo pretende abordar a aplicação dos princípios da bioética (beneficência, autonomia e justiça) no contexto da educação no Ensino Superior, trabalhando principalmente a forma como cada um destes princípios pode ser aplicado a partir de um levantamento bibliográfico e um breve relato de experiência da disciplina de Fundamentos em Ensino em Ciências, ministrada no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e Saúde da Universidade Federal do Tocantins. A partir deste artigo identificou-se que é possível aplicar os princípios da bioética de forma prática e que possibilite a humanização do ambiente acadêmico, bem como fomente a autonomia e o protagonismo por parte dos discentes, promovendo desta forma um ambiente onde as desigualdades sejam atenuadas e que possibilite a real significação do conteúdo aprendido, bem como sua efetiva aplicação prática na transformação dos contextos sócio-histórico-culturais que envolvem o sujeito.

Palavras-chave: Ensino. Educação Superior. Bioética.

Biografia do Autor

Rodrigo Monteiro Oliveira, Universidade Federal do Tocantins

Mestre eM Ensino em Ciências em Saúde pela UFT

Tatiana Peres Santana, Universidade Federal do Tocantins

Mestre em Ensino em Ciência e Saúde pela Universidade Federal do Tocantins. Docente e coordenadora do curso de enfermagem do Centro de Ensino Superior de Palmas (CESUP). 

RUHENA KELBER ABRAO FERREIRA, Universidade Federal do Tocantins

Graduado em Educação Física (FURG). Mestre em Educação Física (UFPel) e Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRGS). Pós Doutorando em Políticas Públicas (UMC), na linha em Práticas de Saúde e Desenvolvimento. Professor Adjunto II da Universidade Federal do Tocantins (UFT).Docente do curso de Educação Física e professor no Programa de Ensino em Ciências e Saúde (PPGECS). Coordenador da Residência Pedagógica em Educação Física. Tutor da residência multiprofissional em Saúde da Família e bolsista da Escola de Saúde Pública de Palmas. Coordena, desde 2016, o Centro de Desenvolvimento do Esporte Recreativo e do Lazer, Rede CEDES.Filiado a Associação brasileira de pesquisa e pós-graduação em estudos do lazer (ANPEL) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). Foi Conselheiro Chefe da Editora da UFT - biênio (2017-2019), bolsista da Fiocruz (2016-2017), coordenador dos cursos de Pedagogia (2015), Educação Física (2015-2017) e Educação Física, modalidade PARFOR (2016-2018). Atuou por 12 anos na Educação Básica na esfera pública municipal, estadual e particular, bem como orientação escolar. Desde 2008 atua no Ensino Superior. Tem experiência na área de Educação e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Infâncias, formação de profissionais para a docência, Recreação Hospitalar, Estudos do Lazer, bem como Gestão, Planejamento e Políticas Públicas em Saúde.

Referências

ANDIFES. IV Pesquisa do Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras.

BARBOZA, H. H. Princípios da Bioética e do Biodireito. Revista Bioética, v. 8, n. 2, p. 209–216, 2000.

BAREMBLITT, G. Compêndio de análise institucional e outros correntes: teoria e prática. 5. ed. Belo Horizonte: Instituto Felix Guattari, 2002.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25–40, 2011.

BUSS, P. M.; PELLEGRINI FILHO, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 17, n. 1, p. 77–93, 2007.

DRUMMOND, J. P. Bioética, dor e sofrimento. Ciência e Cultura, v. 63, n. 2, p. 32–37, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALVÃO, M. C. B. O levantamento bibliográfico e a pesquisa científica Introdução. Fundamentos de epidemiologia, v. 398, n. 2, p. 1–377, 2010.

GONZALES, Z. K.; GUARESCHI, N. M. DE F. O protagonismo social e o governo de jovens. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Ninez y Juventud, v. 7, n. 1, p. 37–57, 2009.

HOSSNE, W. S. Bioética - princípios ou referenciais?? O Mundo da Saúde, v. 30, n. 4, p. 673–676, 2006.

MITRE, S. M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. Sup. 2, p. 2133–2144, 2008.

PAIVA, V. L. M. DE O. E. Autonomia e Complexidade. Linguagem & Ensino, v. 9, n. 1, p. 77–127, 2006.

PIOVESAN, F. Ações afirmativas da perspectiva dos direitos humanos. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 124, p. 43–55, 2005.

SOUZA, R. M. DE. O Discurso do Protagonismo Juvenil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2006.

TORRE, E. H. G.; AMARANTE, P. Protagonismo e subjetividade: a construção coletiva no campo da saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, v. 6, n. 1, p. 73–85, 2001.

VIEIRA-DA-SILVA, L. M.; ALMEIDA FILHO, N. DE. Eqüidade em saúde: uma análise crítica de conceitos. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. Sup. 2, p. 217–226, 2009.

Downloads

Publicado

2021-09-13