Manuais das Escolas Normais como fonte de pesquisa histórica

Autores

  • Fernanda Plaza Grespan Unesp-Marília
  • Aline de Novaes Conceição Unesp, Faculdade de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília
  • Rosane Michelli de Castro Unesp, Faculdade de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília

Palavras-chave:

Escolas Normais. Manuais escolares. Cultura escolar.

Resumo

Neste texto, são destacados os manuais escolares, artefato da cultura escolar, com o objetivo de analisar os manuais escolares que circularam nas Escolas Normais entre 1940 e 1970. A metodologia utilizada é a abordagem histórica centrada em pesquisa bibliográfica e documental no período de 1940 a 1970, privilegiando-se os manuais escolares das Escolas Normais. O recorte temporal se deve a época de expansão ao funcionamento das Escolas Normais do Brasil. Os resultados do estudo apresentado neste texto apontam que os pressupostos teóricos enfatizam a importância dos manuais escolares como fonte de estudos em História da Educação, assim como um artefato cultural, considerando a relevância da cultura escolar e do ambiente das Escolas Normais para a formação docente, considerando a conjuntura histórico-social do Brasil no referido período.

Biografia do Autor

Fernanda Plaza Grespan, Unesp-Marília

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), da Universidade Estadual Paulista (Unesp) "Júlio de Mesquita Filho", Campus de Marília/SP. Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Unesp FFC- Campus de Marília/SP. Graduação em Pedagogia pela Unesp, campus de Marília/SP. É integrante desde 2016, do grupo "HiDEA-Brasil História das disciplinas escolares e acadêmicas no Brasil", liderado pela Drª Rosane Michelli de Castro e desde 2011, é integrante do grupo "GP FORME - Formação do Educador", liderado pelo Dr. Vandeí Pinto da Silva.

Aline de Novaes Conceição, Unesp, Faculdade de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília

Doutoranda do PPGE, da UNESP, Faculdade de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília. Professora Coordenadora da Rede Municipal de Educação de Marília - SP. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas HiDEA-Brasil - História das disciplinas escolares e acadêmicas no Brasil. E-mail: alinenovaesc@gmail.com

Rosane Michelli de Castro, Unesp, Faculdade de Filosofia e Ciências – Câmpus de Marília

Professora assistente na Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da FFC - Unesp/Marília. Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), Graduação em Educação Física pela Universidade de Marília (1988), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005) e Pós-Doutorado pela Fundação Carlos Chagas (2010). Integrou o Programa Interinstitucional MINTER UNESP/UTFPR, entre 2013 e 2015. É membro do Conselho Editorial Acadêmico da Ed. Oficina Universitária - FFC-Unesp/Marília, consultora ad hoc da Revista de Estudos Pedagógicos (Rbep) e integra o quadro de assessores científicos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Coordena o Programa e Projeto Integrado de Pesquisa A história da Didática em instituições de formação de professores no Brasil (1827-2011). 

Referências

ARAUJO, J.; FREITAS, A.; CARVALHO, A. (Orgs.) As Escolas Normais no Brasil: do Império a República. Campinas, SP: Alínea. 2008.

CASTRO, R. M. de. Vida e trabalho de professores primários: um estudo dos Annuários Do Ensino do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Educação). Marília/SP, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, 2000.

CHARTIER, R. História intelectual e história das mentalidades: uma dupla reavaliação. In: CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. São Paulo: Bertrand Brasil; Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, A. M. Escola, cultura e saberes. São Paulo: FGV Editora, 2005. p. 09-28.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, n. 2, p. 177-229, 1990.

CONCEIÇÃO, A. de N. O Instituto de Educação de Presidente Prudente/SP (1953-1975): elementos para a história de uma instituição escolar. 2017. 347f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2017.

CONCEIÇÃO, J. Livros didáticos como fonte de pesquisa histórica: a imagem do Brasil em livros didáticos latino-americanos. Simpósio Internacional “Livro Didático: Educação e História”. São Paulo: FEUSP, 2007. Anais (CD ROM), p. 459-470.

DE CERTEAU, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

ESCOLANO BENITO, A. El manual como texto. Pro-posições, v.23, n.3 (69), p. 33-50, set./dez.2012.

FARIA FILHO, L. M. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M. de.; VEIGA, C. 500 anos de educação no Brasil. v. 3.ed. 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 135-150.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia das Letras, 2003. p.143-179.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 9-43, 2001.

MIMESSE, E.A Prática Pedagógica dos Professores de História no uso dos Livros Didáticos.Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.35, p. 96-107, set.2009.

MORTATTI, M. R. L. Os sentidos da alfabetização: São Paulo/ 1876-1994. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

NÓVOA, A. Apresentação: Por que a história da educação?.In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria H. C. (Orgs.). Histórias e Memórias da Educação no Brasil, vol. II: Séc. XIX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

ROCKWELL, Elsie. La dinamica cultural enlaescuela. In: ALVAREZ, Amélia (Ed.). Hacia un curriculum cultural: lavigencia de Vygotskienlaeducación. Madrid: FundaciónInfancia y Aprendizaje, 1997.

RODRIGUES, F. P. Os saberes para professores elaborados na revista ‘O Estudo’ (1922-1931). 2019. 114f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, 2019.

RODRIGUES, F. P. A formação de professores nas Escolas Normais livres do centro-oeste paulista (1940-1970): uma história por meio dos saberes para professores contidos nos manuais pedagógicos utilizados por essas escolas. In: I Encontro Internacional do Programa de Pós-Graduação em Educação, II Congresso Nacional do Programa de Pós-Graduação em Educação e XXII Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP, Campus de Marília - Desafios da Pós-Graduação, 2020, Marília/ SP. Anais (on-line). Disponível: http://www.inscricoes.fmb.unesp.br/publicacao.asp?codTrabalho=MzM5NzY=. Acesso em:28/12/2020.

SACRISTÁN, Jose Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Trad. Ernani F. Da F. Rosa. 3.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SILVA, V. B. da. Uma história das leituras para professores: análise da produção e circulação de saberes especializados nos manuais pedagógicos (1930-1971). Revista Brasileira de História da Educação. São Paulo: Autores Associados/SBHE, n. 6, jul./dez., 2003, p. 29-57.

VILLELA, H. de O. S. A primeira Escola Normal do Brasil: uma contribuição à história da formação de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1990.

VIÑAO, A. Do espaço escolar e da escola como lugar: propostas e questões. In: VIÑAO, A.; AGUSTÍN, E. Currículo, espaço subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Como Citar

Grespan, F. P. ., Conceição, A. de N. ., & Castro, R. M. de . (2022). Manuais das Escolas Normais como fonte de pesquisa histórica. EVISTA ELETRÔNICA ESQUISEDUCA, 14(34), 582–598. ecuperado de https://periodicos.unisantos.br/pesquiseduca/article/view/1214