Concepções de docentes de Educação Infantil e suas implicações para a atividade de ensino

Autores

  • Vanessa Leite Fernandes Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Marli Lucia Tonatto Zibetti Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Palavras-chave:

Aprendizagem. Desenvolvimento. Psicologia Histórico-Cultural

Resumo

O texto tem por objetivo analisar as concepções de docentes de uma escola de educação infantil e suas implicações para a organização da atividade de ensino. A pesquisa sustenta-se nos pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural e foi desenvolvida em uma escola no município de Porto Velho/RO. Os dados foram produzidos por meio da realização de três rodas de conversa, das quais participaram sete docentes. Os resultados indicam que as docentes atribuem à educação infantil e à própria atuação a função de acompanhar e estimular o desenvolvimento das crianças. Conclui-se que são necessários investimentos na formação docente e também aponta a necessidade de transformações nas condições objetivas de normatização dos processos educativos, de maneira a garantir transformações na escolarização das crianças das escolas públicas brasileiras.

Biografia do Autor

Vanessa Leite Fernandes, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Pedagoga e Psicóloga. Universidade Federal de Rondônia – UNIR. Mestranda em Psicologia, professora no curso de psicologia e coordenadora pedagógica na educação infantil e ensino fundamental.

Marli Lucia Tonatto Zibetti, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1988); Mestra em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (2000); Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela mesma instituição (2005); Pós-Doutorado pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2014). É professora Titular do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Rondônia, atuando na graduação e no Mestrado em Psicologia.

 

 

Referências

ARRUDA, M. P.; ANDRADE, I. C. F.; MACHADO, S. S. B. Do paradigma assistencial ao paradigma do desenvolvimento integral da criança: a percepção de professoras da Educação Infantil. Holos, v. 7, p. 91-102, 2018. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/4384. Acesso em: 13 nov. 2019.

ASBAHR, F. S. F. Por que aprender isso, professora? Sentido pessoal e atividade de estudo na Psicologia Histórico-Cultural. 2011. 219 f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-24032011-094830/publico/teseFlaviaAsbahr.pdf. Acesso em: 14 out. 2019.

ASBAHR, F. S. F. Sentido pessoal, atividade de estudo e educação artística: um estudo de caso. Psicologia Escolar e Educacional, v. 23, 2019. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/edur/a/jnc9ZPB9xpmXZDgq4ydDMYq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 9394/96. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASIL. Presidência da República Casa Civil. Emenda Constitucional nº 59. [...] dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos. Brasília, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares

Nacionais para Educação Infantil. Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

DAVIDOV, V. V. La enseñanza escolar e el desarrollo psiquico. Moscú: Editorial Progresso, 1988.

ELKONIN, D. Problemas psicológicos del juego en la edad preescolar. In: DAVÍDOV, V. V.; SHUARE, M. La psicologia evolutiva e pedagógica em la URSS. Moscú: Editorial Progresso, 1987.

FARIAS; R. N. P. Fundamentos da Educação Infantil: marcos legais, conceitos da Teoria Histórico-Cultural e práticas com a cultura escrita. In: VIEIRA, D. C. S. C. FARIAS; R. N. P.; MIRANDA, S. Educação Infantil na Perspectiva Histórico-Cultural: Concepções e Práticas para o Desenvolvimento Integral da Criança. Carlos: Pedro & Joa?o Editores, 2020, p. 15-44.

FLORES, M. L. R.; ALBUQUERQUE, S. S. Direito à educação infantil no contexto da obrigatoriedade de matrícula escolar na pré-escola. Textura-Revista de Educação e Letras, v. 18, n. 36, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/1726. Acesso em: 27 out. 2019.

FRANCO, A. F.; MARTINS, L. M. Palavra escrita: vida registrada em letras. A Alfabetização para além da Política Nacional de Alfabetização (PNA). Goiânia-GO: Editora Phillos Academy, 2021.

GOMES, V. S.; LAVOURA, T. N. Crítica à Base Nacional Comum Curricular: em Busca do Ensino Desenvolvente na Educação Infantil. Seminário Gepráxis, v. 8, n. 13, 2021. Disponível em: http://anais.uesb.br/index.php/semgepraxis/article/view/9830. Acesso em: 19 out. 2021.

KUHLMANN JUNIOR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LAZARETTI, L. M. Idade Pré-Escolar (3-6 anos) e a Educação Infantil: A brincadeira de papéis sociais e o ensino sistematizado. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES, A. A.; FACCI, M. G. D. Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Campinas: Autores Associados, 2016, p. 129-147.

LAZARETTI, L. M.; MAGALHÃES, G. M. A primeira infância vai à escola: em defesa do ensino desenvolvente para todas as crianças. Obutchénie: Revista de Didática e Psicologia Pedagógica, p. 1-21, 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/Obutchenie/index. Acesso em: 08 set. 2021.

LEONTIEV, A. Actividad, Conciencia y Personalidad. Buenos Aires, AG: Ciências del Hombre, 1978.

LEONTIEV, A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11 ed. São Paulo: Ícone, 2010, p. 119-142.

MAGALHÃES, C. Implicações da teoria histórico-cultural no processo de formação de professores da Educação Infantil. 2014. 198 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/110468#:~:text=Os%20resultados%20indicaram%20que%20a,dire%C3%A7%C3%A3o%20a%20uma%20educa%C3%A7%C3%A3o%20desenvolvente. Acesso em: 02 nov. 2021.

MARSIGLIA, A. C. G.; SACCOMANI, M. C. S. Contribuições da periodização histórico-cultural do desenvolvimento para o trabalho pedagógico histórico-crítico. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES, Â. A.; FACCI, M. G. D. Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Campinas: Autores Associados, 2016, p. 343-368.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. 2011. 249 f. Tese (Livre-Docente em Psicologia da Educação) - Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, campus de Bauru, Bauru, 2011. Disponível em: https://formacaodocente.files.wordpress.com/2012/09/martins_ligia__o_desenvolvimento_do_psiquismo_e_a_educacao_escolar.pdf. Acesso: 04 out. 2021.

MENDONÇA, F. W. A organização da atividade de ensino como processo formativo do professor alfabetizador: contribuições da teoria histórico-cultural. 2017. 247 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, 2017. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/teses/2017/2017%20-%20Fernando%20Wolff.pdf. Acesso: 02 ago. 2021.

MOURA, A. F.; LIMA, M. G. A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista Temas em Educação, v.23, n. 1, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/18338/11399. Acesso em: 30 jul. 2021.

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

NEVES-PEREIRA, M. S.; BRANCO, A. U. Criatividade na educação infantil: contribuições da psicologia cultural para a investigação de concepções e práticas de educadores. Estudos de Psicologia (Natal), v. 20, n. 3, p. 161-172, 2015. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X2015000300161&script=sci_arttext. Acesso em: 05 nov. 2019.

PASQUALINI, J. C. Princípios para a Organização do Ensino na Educação Infantil na Perspectiva Histórico-Cultural: um estudo a partir da análise da prática do professor. 2010. 268 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2010. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/101525/pasqualini_jc_dr_arafcl.pdf?sequence=1. Acesso em: 02 jan. 2019.

PASQUALINI, J. C.; EIDT, N. M. Periodização do desenvolvimento infantil e ações educativas. Proposta pedagógica para a Educação Infantil do Sistema Municipal de Ensino de Bauru. Bauru: Secretaria Municipal de Educação. Disponível em: http://ead.bauru.sp.gov.br/efront/www/content/lessons/120/Proposta_Periodiza%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 02 jan., 2019. p. 101-148, 2016.

PEROZA, M. A. R.; MARTINS, P. L. O. A formação de professores para a educação infantil no limiar dos vinte anos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96. Revista Diálogo Educacional, v. 16, n. 50, 2016. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/2860. Acesso em: 17 ago. 2021.

PESSOA, C. T. et al. Concepções de educadores infantis sobre aprendizagem e desenvolvimento: análise pela psicologia histórico-cultural. Psicologia Escolar e Educacional, v. 21, n. 2, p. 147-156, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-85572017000200147&script=sci_arttext. Acesso em: 19 dez. 2019.

SAMPAIO, J. et al. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/dGn6dRF4VHzHQJyXHNSZNND/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 dez. 2019.

TEIXEIRA, M. A.; NITSCHKE, R. G.; PAIVA, M. S. Análise dos dados em pesquisa qualitativa: um olhar para a proposta de Morse e Field. Rev. Rene, v. 9, n. 3, 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027963017.pdf. Acesso em: 09 ago. 2021.

VYGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VYGOTSKYI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11. ed. São Paulo: Ícone, 2010, p. 103- 117.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Como Citar

Fernandes, V. L., & Zibetti, M. L. T. (2022). Concepções de docentes de Educação Infantil e suas implicações para a atividade de ensino . EVISTA ELETRÔNICA ESQUISEDUCA, 14(34), 398–423. ecuperado de https://periodicos.unisantos.br/pesquiseduca/article/view/1246